Você talvez esteja se perguntando como é que alguém demorou tanto para assistir a um filme que já saiu há um bom tempo em cartaz e mais ainda saiu a publicação do livro, sendo que já tem disponível a trilogia completa da trama, certo?

Bem, vamos ter que chegar a certas conclusões em que houve filmes sobre questões onde os personagens estavam doentes ou então ficavam doentes e que tem toda aquela parte de sofrimento geral e coloca todo mundo para chorar. Eu percebi que a comoção era muito grande e não quis arriscar a ser uma das que assistia e morria chorando.

E eis que, por estar repassando os filmes na Netflix e não estar com nenhum especial na manga, vi aquele passando na “timeline” e acreditei que estava pronta para o sucesso de público. Pronta para a história que conquistou o público.

E quando terminou eu estava totalmente arrasada, chocada e destruída que levou mais de uma semana para me recuperar de um baque que se formos analisar era somente a história de um filme e que já vi outros milhares. E então, qual a razão de o filme machucar tanto ou marcar tanto?

Se você ainda não assistiu ao filme talvez não seja o momento certo de continuar a ler este post, pois vai conter spoilers da trama. E falo do filme, já que não li o livro e sei que ele é bem mais completo.



Primeiro temos a querida Louisa Clarke, uma mulher que mora com seus pais, avô, irmã e sobrinho. Moram em uma pequena cidade do País de Gales onde não há mais muitas oportunidades de emprego e que a economia já não é das melhores. Assim, já temos a visão de que Lou, que namora há um tempão com uma pessoa que pensa mais em si do que no relacionamento a dois, luta arduamente para que sua família esteja sempre bem.

Acredito que a partir daí as leitoras e espectadoras já vão de identificar muito com a personagem, tendo em vista que Lou tem o sonho de ir para uma faculdade, porém decidiu ficar naquela cidade para ajudar os pais, aceita as propostas bobas que o namorado faz para agradá-lo e se mantém positiva para não magoar ninguém. Quem nunca foi assim?

Em segundo tempo Will Trainor, um homem lindo, com uma namorada linda, rico e cheio de adrenalina. Pratica todo tipo de esportes, ama a vida, é um ótimo profissional bem-sucedido e que de repente se vê em uma cadeira de rodas totalmente sem movimentos. E que precisa de uma cuidadora.

Então logicamente a história está formada. Aparentemente uma bela história que deveria terminar com muito amor e paixão. Só que não. E é aí que mesmo que todas desejassem o contrário, o choque da decisão foi muito dolorido. No filme, Will Trainor já havia tomado a decisão da eutanásia, por não aguentar a dor de viver daquela forma mesmo ainda não tendo conhecido Lou. E a pergunta que fica é: Foi egoísmo?

Fui uma das que chorou imensamente com o final. Não queria aceitar o fato de que eles estavam apaixonados e mesmo assim ele estava se despedindo da vida. Era tudo tão lindo. Tão poético. Mas se olharmos pelo lado real da situação, o que não foi mostrado veremos que a dor de Will era muito maior.


Imagine-se sem poder mover nem uma parte do seu corpo. Somente ter as expressões faciais? Sentir dores terríveis e pesadelos constantes com a vida anterior? Ver pessoas vivendo o tipo de vida que ele deseja, vendo o amor da vida dele não tendo a vida que ele quer que ela viva? Ou poder sentir de alguma outra forma tudo isto? O filme mostra um pouco a rotina de Will e só consigo pensar o quanto ele sofria com as doenças.

E mesmo assim machuca. A ideia de que Lou sonhou com aquilo tudo. Que deixaria todos os seus outros sonhos para trás para ficar com ele. Que tentou de todas as formas fazê-lo desistir daquela ideia. Me senti tão destruída quanto ela. Como se já tivesse desistido de muitas coisas por um amor e já tivessem me deixado também. E mesmo assim parece que fiquei lá, até o fim, esperando para ver se poderia haver alguma mudança de opinião.

E é por isso que Como eu era antes de você machuca tanto. Porque nos faz pensar como lutamos tanto. E como nem sempre ganhamos. Mas vale a pena sonhar. Mesmo que no fim alguém desista, os momentos bons vão seguir junto conosco para sempre.




Deixe um comentário

Olá!
Obrigada pela visita ao blog.
Tento sempre responder aos comentários aqui no blog e, se deixar o seu blog, retribuir as visitas o máximo possível.
Beijos