Autora: Kathryn Ormsbee 
Título Original: Tash Hearts Tolstoy
Páginas: 376
Ano: 2017
Editora: Seguinte


Natasha Zelenka é apaixonada por filmes antigos, livros clássicos e pelo escritor russo Liev Tolstói. Tanto que Famílias Infelizes, a websérie que a garota produz no YouTube com Jack, sua melhor amiga, é uma adaptação moderna de Anna Kariênina. Quando o canal viraliza da noite para o dia, a súbita fama rende milhares de seguidores - e, para surpresa de todos, uma indicação à Tuba Dourada, o Oscar das webséries. Esse evento é a grande chance de Tash conhecer pessoalmente Thom, um youtuber de quem sempre foi a fim. Agora, só falta criar coragem para contar a ele que é uma assexual romântica - ou seja, ela se interessa romanticamente por garotos, mas não sente atração sexual por eles. O que Tash mais gostaria de saber é: o que Tolstói faria?

Natasha Zelenza é uma adolescente de dezessete anos cujo os pais são uma mistura de nacionalidades como tchecos e neozelandeses, e sua mãe adotou todos os ensinamentos budistas. Tasha, como prefere ser chamada, é vegetariana, enquanto sua irmã um ano mais velha adora tudo que tenha uma carne inclusa. Sempre foram ótimas amigas, mas agora que Klaudie está indo para a faculdade, parece que a amizade entre as duas se encontra bastante abalada.

"A primeira coisa que você precisa saber sobre mim é: eu, Tash Zelenka, estou apaixonada pelo conde Liev Nikoláievitch Tolstói. Este é o nome oficial dele, mas, como somos próximos, gosto de chamá-lo de Leo." Pág. 13

Apesar de Natasha não ser cheia de amigos pode sempre contar com Jack e Paul, os irmãos gêmeos que moram há apenas 12 casas da sua. Paul tem praticamente a mesma idade que Tash e Jack está quase perto. Mesmo sendo gêmeos, Jack é a melhor amiga de Tash e com quem pretende estar por toda a vida, mas é com Paul que parece conseguir manter as melhores conversas.

Tasha é fã de carteirinha do autor Tolstoi e seu romance preferido é Anna Kariênina. Tanto que ela resolveu criar uma webserie modificada para os dias atuais com o nome de Famílias Infelizes representando adolescentes no mesmo contexto do autor. Tash é a diretora, Jack é quem edita os vídeos e o restante de seus amigos são os atores. Família Feliz tem alguma audiência até que um dia por indicação de uma grande vlogueira a série explode do dia para a noite.

"A vida foi assim depois de setembro. Por quase nove meses. Nove meses. Como um período de gestação bizarro da minha identidade sexual que levou a... A quê? A uma menina? Mais ou menos... Como eu poderia ser uma menina se todas meninas eram serem sexuais?" Pág. 120

E agora as garotas precisam lidar com a série de fãs que aparecem nas redes sociais. E com os haters também e juntamente com isso ainda manter a sanidade com as notícias que surgem. Tash é totalmente envergonhada por ser uma pessoal que se apaixona por outra apenas romanticamente, se tornando assim uma pessoa assexual. Ela não consegue entender porque seu corpo não tem nenhum desejo por sexo ou por ficar nos amassos que as pessoas normais estão sempre comentando. Até entrar em um fórum e pesquisar sobre o assunto e perceber que isto existe sim da mesma forma que cada pessoa tem seu jeito de ser e de amar o próximo.

E quando Famílias Infelizes é indicada para disputar um prêmio no Tuba Dourada, Tash fica enlouquecida por saber que vai conhecer seu grande admirador, o vlogueiro Thom. E se eles se apaixonarem? Como vai ser a situação? Como explicar que ela é assexuada? Será que ele vai entender?

Em meio a descobertas, desabafos, amizades sólidas e desafios, Tash vai saber que no final é a amizade sólida que realmente conta.

Desde o início deste ano eu coloquei uma meta de ler livros diferenciados e não só na questão de gênero e sim na questão de ler realmente qualquer opção que aparecesse, pois sou uma pessoa que acabo me focando sempre nos dramas e não conhecendo coisas novas. 

Assim estou lendo bastante livros de Young adult e gostando bastante desta fase já que os livros que tenho descoberto não são histórias bobas e personagens chatos e sim aquela parte onde se descobrem os problemas e se encaram desafios.



"Então nossa alegre e pequena companhia estava formada: sete atores e duas cineastas, totalizando nove integrantes. Exatamente como a Sociedade do Anel. Bom, não exatamente. Mas na minha cabeça eu era Gimli, porque não tem ninguém mais legal do que ele." Pág. 74

A parte onde os personagens do livro criam uma websérie para retratar uma obra de Anna Kariênina vai ser muito bem utilizada para que momentos entre os amigos e conhecidos se entrelacem e assim outras histórias sejam contadas como, por exemplo, os sonhos de cada um de viver o momento e de planejar o futuro. Mostra principalmente a fase atual de diversos adolescentes que criam conteúdos para a Internet e que muitas vezes perdem o foco devido ao vício e a não saber parar no momento certo.

Mas a leitura é mais baseada na questão da amizade. Do quanto o apoio da família e dos amigos é importante e mais ainda como em momentos muito difíceis é necessário que todos estejam reunidos e de bem uns com os outros.

 


Tanto Tash quando Jack são personagens fortes mas diferentes que ao se encaixarem demonstram um afeto extraordinário. Logicamente o livro tem seus momentos tristes e pesarosos, mas é de uma importância para a fase familiar.

Há uma diferença sempre no estilo de vida contada em certos livros porque sabemos que a cultura dos EUA, por exemplo, é que os adolescentes depois de formados, sigam para a faculdade em qualquer lugar do país, saindo da casa dos pais, o que aqui no Brasil já não acontece. Então sempre há algumas divergências nesta questão, apesar de que eu fico babando imaginando como seria viver em uma república.

"Você é assexual? - ele pergunta. - Você tem, tipo, dezessete anos. Ninguém sabe que é assexual com essa idade. Sem querer ofender, Tash, mas não acha que talvez só esteja com um pouco de medo de sexo? Ou que ainda não é a hora? Porque não tem problema nenhum nisso, mas acho difícil acreditar..." Pág. 317

Agora um ponto que me chamou muito a atenção e que nunca tinha lido em um livro e nunca tinha pensado a respeito foi a questão de a personagem de Tash de ser assexual. Como é a descoberta, o conceito e o conhecimento que ela precisa enfrentar e até mesmo contar para algumas pessoas o que é isto. Pois muitas outras pessoas passam pela mesma questão e podem ter as mesmas dúvidas.
Isto sim foi tratado de uma forma fluída e simples e eu adorei saber mais sobre isto. Nada como um livro que traz conhecimento sobre diversidades de uma forma educativa e que enterte ao mesmo tempo.

Gostei bastante da leitura mesmo nem conhecendo Tolstói. O final foi tão doce que já queria pegar o avião e ir para a cidade de Tasha para entrevista-la para o blog, mas quem sabe em uma próxima?








15 Comentários

  1. Oii Greice, tudo bem? Que resenha linda! Adorei saber mais sobre esse livro e ver que gostou tanto. Acho que só um livro com personagem assexual antes. É sempre bom ver essa representatividade nas obras do gênero Young Adult, que é um dos meus favoritos. Tash e Tolstoi é um dos livros da minha lista que mais quero ler esse ano. Algo me diz que irei amar.


    Beijos!
    https://umaleitoravoraz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu nunca tinha lido nada sobre personagem assim e eu gostei bastante porque tem várias explicações no livro.

      Excluir
  2. Oi, Greice.
    Li esse livro no ano passado, mas acabei me decepcionando com a história. Esperava muito mais da questão da assexualidade da Tash, mas no fundo, odiei a personagem! Achei ela uma péssima amiga, uma pessoa até cruel. As incertezas dela sobre sua sexualidade não são desculpa para ela ser tão egoísta... Mas enfim... Gosto é gosto, né?! Rs...
    Fico feliz que sua experiência tenha sido melhor que a minha!!
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva
    http://leitoracompulsiva.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu te entendo, porque tem os dois lados mesmo no livro, mas acho que nesta idade é uma coisa meio que natural. Eu não faria aquela viagem, mas depois tu viu que teve a troca de ideias né.

      Excluir
  3. Olá, Greice!

    Também tenho meu gênero preferido, aquele que leio mais (romances!), mas também estabeleci uma meta de ler livros variados. Apesar de ser eclética, ler de tudo um pouco, o fato de ter um gênero que me ocupa mais ao longo do ano, faz com que eu não leia tantas histórias diferentes como gostaria. Mas este ano está dando certo!rsrs

    Assim que vi a capa já pensei que faria alguma referência ao Tolstói só não imaginava que a protagonista seria tão apaixonada pelo autor.kkkkk... Como você, nunca li nada dele, mas já ouvi falarem tantas maravilhas! Eu tenho Anna Karênina e talvez leia um dia.

    Acho interessante o livro abordar o tema da assexualidade. Já tinha ouvido falar disso, mas nunca em alguma história assim.

    Gosto muito de histórias sobre amizade e penso em dar uma chance ao livro! Só espero que a oportunidade apareça logo!

    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que tenha a oportunidade, é bem legal mesmo!

      Excluir
  4. A temática do livro é novidade para mim, mas fiquei curiosa para saber o desenrolar dessa aproximação de Tash com Thom. Acredito que seria uma leitura tocante, por tratar de amizades, afetos e os momentos pesarosos que mencionou. Quero ler o livro e saber mais sobre o assunto, dica anotada.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Olá,

    Que livro maravilhoso! Sua resenha me cativou bastante e fiquei com vontade de ler a história. Também achei muito interessante o tema abordado sobre Natasha ser assexual, nunca li nada assim. Parece ser um livro bem diferente e adoro quando traz temas relacionados a amizade. Amei a resenha e com certeza pretendo ler o livro!

    www.virandoamor.com

    ResponderExcluir
  6. Olá! Nunca li um livro com esse tema de abordagem e confesso que não me interessou. Achei as referências a Tolstói e a Anna legais, mas o livro em si, não me chamou a atenção. Os temas são relevantes para nossa época, e acho válida a dic.
    Bjoxx ~ http://www.stalker-literaria.com/

    ResponderExcluir
  7. Acho essa capa tão fofa que queria ter na estante, mas não sei se este enredo funcionaria muito para mim. O que mais me chamou a tenção na sua resenha foi esse destaque para a amizade no enredo e até a interação familiar. Faz tempo que não leio enredos assim.
    beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi Greice!
    Já tinha visto essa capa por aí, mas nunca tinha me animado em ler... nem sabia sobre o que se tratava a obra, mas fiquei bem curiosa após saber mais sobre a trama. Gostei das referências, mas curti mesmo a autora ter abordado o tema de assexualidade, nunca tinha lido sobre em um livro. Espero ter oportunidade de ler essa obra.
    Beijos

    www.lendoeapreciando.com

    ResponderExcluir
  9. Olá Greice,
    Esse livro está na lista de futuras leituras e estou bem ansiosa para ler. Eu gosto muito do Tolstói, apesar de não ter lido nada dele, eu acho que ele foi um grande nome. E outro ponto que chama minha atenção nesse livro é a assexualidade da protagonista, eu nunca li nada nesse tema e aí parece ter sido muito bem trabalhado.
    Vou anotar a dica.
    Beijos,
    http://www.umoceanodehistorias.com/

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bem?
    Esse livro vem chamando minha atenção há algum tempo e estou cada vez mais curiosa para ler. Um dos aspectos que mais gostei de saber é que o livro é mais baseado nas relações de amizade, mostrando a importância do apoio da família e dos amigos. Eu amo livros que dão destaque a esses vínculos, então, é um ponto que considero positivo.
    Além disso, nunca li nenhum livro que trouxesse um personagem que é assexual e acho que deve ser interessante conhecer mais sobre o assunto.
    Adorei sua resenha e espero ler este livro em breve.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Oie!
    Eu nunca li nada de Tolstoi, mas adorei a resenha dessa obra! Achei incrível o fato da Tash ser tão criativaa ponto de criar uma webserie, e eu nunca li nada com um personagem assexuado contando, isso me deixou curiosa também. Amei a dica!

    ResponderExcluir
  12. Oi Greice! Tudo bem?
    Pensa em um livro que me conquistou de cara. Pensou? Foi esse!
    PRECISO AGORA ler! AMEI a proposta como um todo e é a primeira vez que vejo uma personagem assexual e ainda por cima criando uma série baseada em um clássico do Tolstoi. CRIATIVO até as medulas!
    Abraços e beijos da Lady Trotsky...
    http://www.galaxiadeideias.com/

    ResponderExcluir

Olá!
Obrigada pela visita ao blog.
Tento sempre responder aos comentários aqui no blog e, se deixar o seu blog, retribuir as visitas o máximo possível.
Beijos