07 agosto 2017

4

Na Telinha: Planeta dos Macacos: A Guerra! Eu assisti!


E então chegou o último filme da trilogia do Planeta dos Macacos. Depois de Planeta dos Macacos: A  Origem e Planeta dos Macacos: o Confronto, Planeta dos Macacos: A Guerra veio para dizer o real motivo que fez com que toda a história tivesse um contexto tão firme e tão famoso e demonstrou o que o primeiro filme feito fora da trilogia realmente idealizou: um planeta dominado pelos macacos, mas que até então não se sabia qual era o real motivo. 

O primeiro filme Planeta dos Macacos gravado em 1968 e depois regravado mostra um mundo em outra dimensão em que os seres humanos são dominados por macacos e servem de escravos para eles e onde um viajante dos tempos atuais vai parar. Após ele conseguir fugir deste mundo, ele vai parar em um outro que acredita ser a Terra, porém em um outro futuro e se depara com uma Terra também dominada por macacos e sem seres humanos.




Sinopse: Humanos e macacos cruzam os caminhos novamente. César (Andy Serkis) e seu grupo são forçados a entrar em uma guerra contra um exército de soldados liderados por um impiedoso coronel (Woody Harrelson). Depois que vários macacos perdem suas vidas no conflito e outros são capturados, César luta contra seus instintos e parte em busca de vingança. Dessa jornada, o futuro do planeta poderá estar em jogo.


É a partir daí que muitas pessoas acreditaram que os vilões eram realmente os macacos e que os humanos eram meros espectadores maltratados. Assim sendo, esta trilogia veio para mostrar a grande verdade por trás desta história toda.

Se você tem coração mole e chora facilmente vá se preparando para assistir a este filme. O lado emocional é o trabalho mais focado neste terceiro filme, que já foi utilizado desde o primeiro quando Cesar, o personagem principal, foi criado e é o líder. Mas neste terceiro filme há uma família enorme e uma comunidade gigantesca tentando sobreviver em meio ao caos da perseguição à raça símia e mesmo assim Cesar tem a tendência em buscar a paz.



Pelo trailer dá para imaginar um filme enorme de ação e pura aventura, cheio de efeitos especiais, guerra, brigas e tudo o mais. Inicialmente o que ocorre é exatamente isto, mas a decisão que eu considerei sensata é que o foco não está nos efeitos especiais como o que aconteceu no segundo filme. O conflito em si ocorre mais nas partes finais e durante as duas horas e vinte minutos o que se vê é uma construção significativa de amizade, amor, luta e esperança entre os animais e alguns humanos.

Em um momento atual tão desconcertante para a sociedade mundial, assistir a um filme assim é nada mais do que um tapa na cara. É como voltar ao passado e assistir todo o desenrolar de uma história dos nossos antepassados até agora e também o que está ocorrendo no mundo com a questão da imigração. É o ser humano se autodestruindo e querendo destruir o próximo para tentar sobreviver.


Vale a pena assistir a todos os filmes. Só não vá esperando muito mais ação pois o filme tem alguns momentos assim e o restante é bem dramatizado. O final é excelente e fecha com chave de ouro uma história que querendo ou não, pode acontecer a qualquer momento.




4 comentários:

  1. Oi Greice, com certeza eu vou ver este filme, até porque já vi os anteriores e preciso saber como termina. Só fiquei ainda mais curiosa com sua resenha.
    Bjs Rose

    ResponderExcluir
  2. Oi, Greice
    Já vi que vou chorar então. Eu gosto muito de todos os filmes e estou ansiosa para ver esse. Gosto mais de drama que de ação, então acho que vai me agradar também. Que bom saber que é tão bom.

    ResponderExcluir
  3. Olá! Estou curiosa para ver essa versão. Gosto de filmes com essa temática. Acredito que esse vale a pena a indicação, especialmente para quem já viu os anteriores. Muito bom seu post, bjooo

    ResponderExcluir
  4. Eu adoro os filmes Planeta dos macacos desde o antigo e os mais recentes, esse não vi no cinema mas quero muito assistir e rever o César. Bjkas

    ResponderExcluir

Olá!
Obrigada pela visita ao blog.
Tento sempre responder aos comentários aqui no blog e, se deixar o seu blog, retribuir as visitas o máximo possível.
Beijos