05 junho 2017

1

Desabafo: Solidão!


Tem aqueles momentos em que a vida parece parar. Parece dar uma mudança no tempo, ou melhor, uma mudança em todos os sentimentos dentro da gente. Eu sempre coloco que as coisas ficam em terceira pessoa, mas na verdade estou falando em primeira, como as coisas mudam dentro de mim.

 Existe o conflito de questões que vai aparecendo em cada momento de crescimento. As questões existenciais e até mesmo as cobranças que surgem da sociedade em relação ao que se deve fazer: trabalhar, estudar, namorar, casar, ter filhos, conquistar uma casa, estabilidade. Por outro lado algumas pessoas não são apegadas a bens materiais e acreditam que o dever deva ser em prestar socorro a outras pessoas, a fazer caridade, a estar presente para com os mais necessitados ou então uma soma de todos estes fatores torna alguém super especial e completamente realizado.

Há muito tempo já me cobrei sobre diversas coisas as quais não consegui conquistar e até mesmo parei para pensar se eu não seria inútil ao fato de não chegar tão perto de algo que muitas pessoas conseguem. E depois de encarar a quase morte por minha própria vontade diversas vezes percebi que na verdade eu não sou igual a muita gente que tem milhares de metas e objetivos na vida ou que tem uma motivação fenomenal a ser conquistada. Não. Tem dias que eu sequer quero acordar e levantar. Sim, isso é denominada depressão.

O fator real é que agora me encontro em um momento em que pareço estar em meio a uma multidão e mesmo assim pareço estar totalmente sozinha. Ser solitária é uma coisa, é aquele jeito de ser que muitas vezes eu também estou. Gosto muito mais de ficar em casa, lendo, vendo filmes do que em festas e afins. Sou mais solitária mesmo. Mas me sentir sozinha agora está sendo uma das primeiras vezes, quando parece que tenho mil coisas a falar e ninguém para ouvir, já que as pessoas também tem suas vidas.


Depois de um tempo percebi que existem amigos e colegas e também conhecidos. Amigos agora são poucos, mas também duradouros. São aqueles que ficam ao seu lado indiferente do tempo e do que aconteça e este levo para toda a vida. Conhecidos e colegas estão ali para um tempo determinado e não se pode contar todas as coisas, já que a confiança também não é tão grande.

Agora o vazio que eu sinto é tão grande porque preciso decidir algumas coisas e também preciso ter alguns conselhos e não me vejo perguntando para alguém sobre isto e não imagino alguém percebendo isto também. Há momento em que quero pular de um lugar alto e sentir o vento no meu rosto sem pensar na consequência seguinte, mas que tudo acabasse rapidamente.

São desafios diários. O tempo todo. Já percebi que não consigo satisfazer todas as pessoas mesmo tentando ser a melhor. Não adianta eu trabalhar, estudar, ajudar em casa, quando o que se pensa é que eu sempre sou um problema por algo. E já resolvi ficar sozinha, sendo que um relacionamento para mim é mais dolorido do que satisfatório, pelo menos por enquanto.

Então, sim. A solidão agora me atormenta. E ao contrário do que todo mundo pensa sobre pessoas mais deprimidas, não buscamos estar assim, estamos assim por certas condições que algumas vezes é difícil de encarar e viver. Já tentei lutar e hoje sou mais forte do que ontem, mas ainda não sei até quando. Nunca digo que nunca farei e que nunca direi adeus. Mas no momento o que mais preciso é desabafar.







Um comentário:

  1. Eu entendo você perfeitamente, amiga. Me sentir sozinha no meio de uma multidão tem sido uma constante em minha vida. Mas, você sabe que estou aqui sempre pra você. Amo tu e se quer desabafar, pode falar comigo quando desejar.

    ResponderExcluir

Olá!
Obrigada pela visita ao blog.
Tento sempre responder aos comentários aqui no blog e, se deixar o seu blog, retribuir as visitas o máximo possível.
Beijos