01 fevereiro 2017

4

A mulher e a opção de não ter filhos!


Começo este texto destacando um ponto que até há alguns anos me incomodava muito. A questão de sempre ficarem me questionando o motivo de eu ainda não ser mãe. Primeiro vem sempre a relação de perguntar sobre se estar com alguém e consequentemente quando vou ter um filho. Esta é uma questão ainda bastante delicada em pleno século XXI.

Desde meus quinze anos de idade tinha a certeza de que não desejava ser mãe. Hoje tenho trinca e quarto anos e continuo com o mesmo pensamento. Não quero ter filhos, não quero gerar um ser, não quero passar pela descrição de muitas mulheres sobre a maravilha da maternidade. Pelo simples fato de ter escolhido isto. Alguns alegarão pecado, outros dirão que sou egoísta. Simplesmente sou livre para fazer minhas escolhas.

Desde quando uma mulher é obrigada a ter filhos? Antigamente a sociedade impunha isto para que os maridos sustentassem o lar e as mulheres gerassem as crianças, que mutas vezes ajudavam no sustento da casa. Alguns religiosos acreditam que Deus criou a mulher somente para este fim e que sexo é somente para procriação.

Nunca tive um sentimento materno. Minhas amigas com filhos sabem que não sou a que vai ficar paparicando seus rebentos, que não serei a titia querida e que sou a última opção para ser babá. Nunca tive o anseio materno. E tive uma ótima criação. Meus pais são amorosos, sempre estiveram e estão ao meu lado. Ou seja, psicologicamente falando não há um motivo de trauma infantil para argumentar uma opção de não ter filhos. 

 Porque haveria de ter um motivo. O simples fato de que cada um sabe o que realmente deseja para si é o suficiente. Já ouvi de ex-namorado que é um absurdo alguém ser mulher e não querer ter filho porque eu estaria cometendo um pecado e sendo totalmente egoísta quando, na verdade, a única coisa que ele queria era ter um filho e depois sumir do mapa. Tenho muitos planos para minha vida e tenho certeza que não conseguiria dar a uma criança aquilo que ela realmente merece.

Não é necessário achar desculpas. Cada vez mais mulheres fazem esta opção. Há quem ame chegar em casa e ter crianças para brincar, cuidar e se divertir dando amor e carinho. Eu prefiro chegar, ter meu silêncio, ler meus livros. Sei quais são as minhas limitações e com certeza homem algum imporia esta situação a mim. 

Já vi casais se divorciarem por um querer filhos e o outro não querer e conheço outros em que ainda discutem sobre esta questão. Não é algo a ser feito aleatoriamente. É algo a ser pensado, ainda mais em dias atuais com tantas dificuldades e desafios. Mas uma mulher pode decidir sim não ser mãe e não ser diminuída por isto. Existe sim quem não tenha o famoso amor maternal.

As mulheres lutam diariamente por mais lugar ao sol, por melhores direitos, por não ter que aguentar desaforos nas ruas, ser desrespeitada, sofrer violência de qualquer tipo. Tem todo o direito de se cuidar, de decidir sobre sua saúde e sobre seu caminho, independente de gerar um filho ou não.

Passou o tempo em que me importava com comentários machistas sobre eu não querer ser mãe. Agora sei que sou mulher e que decido os meus passos. A sociedade pode julgar quanto quiser. O vizinho, o parente ou quem for. Sei que quando fechar a porta da minha casa terei a certeza de que tomei a decisão certa e poderei respirar aliviada. Chega de ver crianças maltratadas por mães que não desejavam a maternidade, mas foram obrigadas a isso.

Século XXI e adiante!



4 comentários:

  1. Oi Amiga,
    Palmas gostei muito do texto e apesar de ainda estar em cima do muro, gosto de pensar que somos nós que decidimos o que queremos. Temos livre arbítrio e a vida é assim. Cada um toma a decisão que quer. Os homens deveriam parir, resolveria metade dos problemas né....eu até queria ter um filho, mas não queria parir. kkkkkk....entende. Mas vamos que vamos que a vida é curta.

    Saudades. Beijos.
    http://amagiareal.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Greice!

    Eu achei seu relato muito razoável! Mesmo porque a maternidade é uma coisa muito séria, que não pode acontecer de qualquer jeito... Ser pai, é opcional, mas ser mãe é estar presente sempre na vida de outro ser. Sei que tem muitos pais que se desdobram e dividem a responsabilidade com a mulher no que se refere a cuidado e a educação dos filhos, alguns fazem muito mais que uma mulher, mas é preciso pensar em tudo.
    Eu acredito que você, talvez, não esteja pronta para ser mãe, mas isso não quer dizer que vai ser assim sempre. Um dia, quem sabe, você possa mudar de ideia e abrir-se à possibilidade... Mas, isso, não sou eu, e nem ninguém que vai dizer para você, mas você mesma vai escolher. Se você quiser continuar não tendo filhos e viver bem com isso, vá em frente! É você que tem que traçar o seu próprio caminho! Boa sorte! Admiro muito sua escolha e espero que você seja feliz com ela. Prazer demais em te conhecer!
    Abraços,
    Drica.

    ResponderExcluir
  3. Oi Greice, sua linda, tudo bem?
    Estive doente esses dias, peço desculpas pelo sumiço. Você percebeu que a mulher está sempre travando alguma luta? Não importa o quanto a sociedade tenha evoluído, as mulheres ainda precisam alcançar seu espaço e conquistar direitos. Já viu alguém criticando algum homem por não querer ter filhos? Acho que nunca vi fazerem essa pergunta a um homem. Aí concordo com seus argumentos, tudo volta para o papel da mulher na sociedade, tudo volta para a verdade de que ainda não temos direitos a fazer nossas próprias escolhas. Não me importo se é mulher ou homem, antes de ser um ou outro, é ser humano e deve ser respeitado em qualquer questão.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Greice querida antes de mais nada quero te dar os parabéns pela sua coragem de defender sua escolha por aqui. Adorei seu texto e assumo que também tomei essa decisão desde cedo, nunca me vi gerando uma criança, passando pelas dores do parto e criando a mesma para o mundo. Tenho 37 anos e acredito que não mudarei de ideia, se mudar tento a adoção.
    Diferente de você, adoro crianças e sempre brinco com sobrinhos e filhos de amigos com carinho e atenção, mas não me vejo tendo o meu.
    Muitos pessoas ainda ficam chocados quando comento sobre minha decisão, mas não me importo pq cada um tem suas crenças e limitações. Graças a Deus casei com um homem que também não tem essa pretenção e vivemos felizes.
    Enfim amei a postagem. Beijos

    Leituras, vida e paixões!!!

    ResponderExcluir

Olá!
Obrigada pela visita ao blog.
Tento sempre responder aos comentários aqui no blog e, se deixar o seu blog, retribuir as visitas o máximo possível.
Beijos