25 janeiro 2016

34

Quero me Apaixonar - Alex Darciso! [ Resenha #279 ]


Robert morava em Riverston com a mãe Rosali e seu pai Noa em uma casa tranquila na década de 60. Riverston era considerada uma grande cidade, com mais de um milhão de habitantes e era ali que aquela família vivia feliz todos os seus dias. A felicidade de Robert era brincar diariamente com seu pai de avião, enquanto sua mãe preparava deliciosos jantares. Quando Robert completou cinco anos de idade, ele ganhou de presente de seu pai um pequeno violão, onde foi gravada as letras N&R, para que Robert sempre se lembrasse que fora seu pai quem dera aquele presente a ele. Infelizmente naquele mesmo dia, à noite, seu pai veio a falecer. Com tanta dor no coração, Rosali se mudou para o interior, para uma cidade chamada Camp City e lá viveram até Robert completar 18 anos.

Natalie é a garota que agora vive na mesma casa que antes morava Robert. Se mudou para lá logo depois que ela ficou disponível para venda. Mora com sua mãe, Martha e com seu pai, John. O pai era pastor e Natalie seguia as orientações de sua religião evangélica e como agora estava com dezoito anos, precisava escolher uma profissão para cursar na faculdade e também tinha um admirador, Sebastian. Mas para ficarem juntos eles precisavam passar o tempo juntos e entender se era aquilo que Deus queria para eles. Isso era o que a religião de Natalie esperava dela.

Depois de Robert aprender a tocar violão e ganhar um concurso em sua cidade, ele resolveu buscar rumos maiores e se mudou de volta para Riverston com o seu melhor amigo Christian, que tinha uma loja de instrumentos musicais. Robert trabalhava durante o dia na loja e nos finais de semana tocava em locais da cidade. 

Natalie e Robert eram muito diferentes em relação ao que desejavam para suas vidas. Robert tinha as festas, os seus costumes e não acreditava em Deus, enquanto Natalie acreditava que Deus traçava todas as suas ações, e raramente saia para algo que não fosse correto pela visão da Bíblia. Natalie um dia encontrou no porão de sua casa um pequeno violão com as iniciais N&R e queria descobrir qual a história por trás daquele instrumento e o real motivo pelo qual fora deixado esquecido em sua casa.

Com o passar do tempo Natalie e Robert se conhecem e uma grande admiração surge entre eles. Mas Robert não acredita em Deus e agora Natalie quer mostrar a ele que mesmo acreditando em outras coisas, há razões para crer em algo maior e que para tudo sempre há um motivo, uma razão de se existir na vida.



Autor: Alex Darcisio
Título Original: Quero me Apaixonar
ISBN: 9789895142439
Páginas: 302
Ano: 2015
Gênero:  Ficção /  Drama / Romance
Editora: Chiado








Quando li a sinopse de Quero me Apaixonar vi que se passava na década de 50 e que era um romance. Logo, não consegui deixar de desejar que fosse uma leitura com os detalhes da época e que pudesse me repassar com um certo cuidado um romance que não tenha tanto aquele tato erótico que os romances de hoje tem. Certamente o romance é vivido na década de 60, quando os personagens estão adultos e felizmente também há a interação que eu buscava em um cenário romântico.


Preciso confessar porém que tenho um enorme preconceito com livros que colocam em suas histórias algo relacionado à religião. Acredito que tudo o que for destinado a tentar mudar seu pensamento de forma drástica vai ser algo cansativo, uma vez que sou adepta a todas as religiões e não concordo com muitas coisas que as pessoas precisam fazer ou deixar de fazer pela fé. Mas é isto o que me surpreendeu de certa forma neste livro, já que quando vi que teria uma visão evangélica pelo fato da protagonista principal ser da religião, imaginei que o autor tentaria empurrar goela abaixo os costumes e tradições e seria um livro de fé. Não correu desta maneira.



Na verdade, é um livro altamente reflexivo. No início fiquei um pouco confusa sem saber quem estava contando a história e depois percebi que a história é narrada por Natalie, contando o passado mas de uma forma que parece um diário em que você não percebe que está voltando no tempo e sim que está acontecendo tudo aquilo no momento. 



O enredo é bem tradicional, mas não é nada com um clichê em especial. A história mostra a vida de diferentes formas de cada personagem e como eles se apaixonam mesmo acreditando serem diferentes um para o outro na forma de pensar e o quanto cada um poder fazer sacrifícios em relação a isto. As demonstrações de fé de Natalie são só um ponto do que ela acredita e que deseja compartilhar com Robert, da mesma forma que ele compartilha seus sonhos e momentos com ela.



É um a história com dois lados da moeda, sem ter o certo e o errado e sim o que o amor pode fazer quando as pessoas se apaixonam. O quanto cada um pode doar de si e compartilhar. Adorei a história por este lado. Teve momentos que eu imaginei que ficaria irritada se tivesse que ver o personagem mudando pela garota, mas não foi assim, foi extremamente natural. E mesmo assim não deixa de que em cada capítulo seja repassado mensagens positivas de vida e de coragem.



O final é um ponto alto da história, já que foi totalmente diferente do que eu havia imaginado. Não é um livro de suspense ou de mistérios, é um livro de descobertas. O autor não vai remeter o leitor a conclusões precipitadas ou forçar a encarar a religiosidade sem explicar suas razões e por isto eu achei a história positiva. Quero me Apaixonar tem momentos para pensar e para ver em que ponto de nossas vidas podemos reestruturar algo ou fazer o melhor a cada momento, indiferente da religião.

Um ponto muito negativo que posso relatar em relação à diagramação é a quantidade de erros. Na verdade esta é uma questão da revisão. Praticamente em todas as páginas encontrei um erro e isso foi muito incômodo. O tamanho da letra é ótima e a folha é amarela, o que facilita bastante na leitura.







34 comentários:

  1. Olá, tudo bem ?
    Vim agradecer o seu comentário em minha lista de Melhores do Ano, no blog Apaixonada por Livros.
    Convido a conhecer o meu blog : www.estilogisele.com.br
    Espero você lá.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagina, obrigada você! Vou conhecer seu cantinho!

      Excluir
  2. Também não gosto muito de ler livros com tema religioso pelo mesmo motivo que você, mas existem alguns que superam nossas expectativas. Acredito que esse seja um livro muito agradável de ler, leve e instigante. Infelizmente esses erros de diagramação e revisão podem tornar a leitura um saco.
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, os erros deixam a gente chateada porque sempre apostamos em livros com algo que podemos aprender mais, principalmente no português!

      Excluir
  3. É foi bom ter falado sobre a questão religiosa, também prefiro evitar livros assim, pois cada um pensa de uma forma diferente e crê de uma forma diferente. Como você me senti muito estimulada a ler o livro pela sinopse, mas seu comentário sobre a religião me deixou meio balançada. Não tenho certeza se leria, mas jamais me absteria de refletir sobre toda as descobertas que disse que ocorreram e agregaram muitas reflexões. Sendo assim, não leria agora, mas com certeza se um dia tiver a oportunidade darei uma chance a ele.

    Raíssa Nantes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre deixo claro as questões do livro para que cada um tire suas conclusões, porque religião nem todo mundo curte ler!

      Excluir
  4. Oi, Greice
    Nossa, um romance da década de 50 é uma proposta bem interessante para um livro. Não tenho problemas com livros que abordem a religião, até gosto, mas tudo depende de como é desenvolvido essa questão.
    Gostei bastante da resenha e acho que leria o livro.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá... Greice, tudo bem??
    Atualmente estou lendo um romance religioso, meu primeiro romance religioso na verdade... eu curti muito a premissa dele.. acredito que se um homem ou mulher muda, muitas vezes nem é pela pessoa, mas pelos sentimentos que vão crescendo porque um relacionamento é isso, uma troca... cada um tem que ceder um pouquinho para que dê certo, para que possam ficar bem... sem julgamentos e sem dramas.. claro que isso é um processo de transição que acontece dentro de um longo período e não de uma hora para outra e acredito que isso foi bem trabalhado no livro... adorei essa proposta... me sinto bem cativada a ler ainda mais por ser um romance histórico... os erros de revisão quando são muitos realmente incomodam... espero que isso seja concertado em uma segunda edição... Xero!!!

    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi, Greice, tudo bem?
    Quando vi o nome do livro tive a sensação que seria cristão (tem uma música/cd evangélico com esse nome), e não me enganei.
    Odeio livros que se disfarçam de romances/novelas e afins para não passar de uma doutrinação religiosa mal feita.
    Não leria de forma alguma esse livro, mesmo vc falando que independe de fé a leitura do livro. Eu sei que me incomodo com esse tipo de leitura, e não gastaria meu tempo e dinheiro c esse livro. Beijo.

    ResponderExcluir
  7. Gostei muito da proposta do livro, pelo que pude perceber, os sentimentos e ase trocas de opiniões referente ao modo em que se enxerga o mundo é o ponto principal da leitura, um fator que adoro durante a narrativa. O fato de se incomodar com a revisão a cada página é realmente algo que pode até desconcentrar da leitura, e por isso não aproveitar o suficiente, dependendo da pessoa, esse é um fator que poderia distanciar o leitor e não se aproximar da história.
    Bjim!
    Tammy

    ResponderExcluir
  8. Adorei saber que é romance e que se passa na década de 50, me encantei pela premissa. Fiquei bastante afim de ler, e com certeza farei isso se tiver oportunidade. Pena saber dos errinhos, mas acho que dá para relevar com uma história maravilhosa dessas, né?
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  9. Oiee ^^
    Eu também torço um pouco o nariz para livros que têm um pouco de religião empregada nos personagens, mas já cheguei a ler alguns. Ainda não conhecia esse, mas fiquei curiosa para lê-lo só pelo fato de se passar em meados de 60. Poxa, é uma pena que o livro tenha uma revisão péssima, odeio quando isso acontece :/
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br/2016/01/novidades-de-janeiro-josy-stoque.html

    ResponderExcluir
  10. Oi Greice,
    Não gosto de livros com esse tipo premissa, por isso nem me aventuro nessa leitura, achei a sua resenha muito bem feita, mas não me animei a fazer essa leitura, pelo que pude ver o livro defende algumas perspectivas que não bem divergentes das minhas concepções, o que me faz ter certeza de que não é o tipo de leitura que me agradaria, beijos.

    ResponderExcluir
  11. O conteúdo de um livro com pegada religiosa depende muito do autor, da mesma forma que você pode ter amigos de uma religião que são bem tranquilos e outros que não sabem fazer outra coisa se não tentar te converter. Ao que parece o Alex é do primeiro tipo. O livro parece ser bem agradável, daqueles que a gente lê num dia de chuva com chocolate quente. Fiquei bem curiosa em conhecer a obra.

    Bjnhos de Tinta
    Blog Mundo de Tinta

    ResponderExcluir
  12. Olá, eu não conhecia esse livro ainda e confesso que não chamou minha atenção, seilá mas eu não leria ele no momento, talvez mais para frente eu daria uma chance, é uma pena que esteja cheio de erros de revisão, para mim isso atrapalha a leitura :/

    Beijos

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2016/01/resenha-tudo-pode-acontecer.html

    ResponderExcluir
  13. Oi, flor!
    Eu nada sabia sobre o livro, mas me interessei por ele por ver que o autor conseguiu desenvolver um romance na década de 50/60, trazendo como protagonista alguém evangélica, sem perder o envolvimento do leitor e nem se tornar dogmático. :) O enredo me atraiu e, claro, não posso deixar de dizer que o fato de existirem reflexões não me animaram (rs). Adoro quando isso acontece!

    Beijos!
    http://www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Algumas vezes, livros de suspense e mistérios me incomodam, mas livros de descobertas, ah, esses eu amo com todas as minhas forças
    Gostei muito da premissa desse livro e fiquei bastante curiosa para saber que o mocinho começará a crer em algo maior que ele. Também fiquei curiosa para saber sobre o violão com a inicial dos dois.
    Adorei sua resenha e já anotei o título ;)
    Beijos
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Eu sou evangélica então acho que o livro vai dar certinho para mim hehehehhe
    Solicitei o livro no meio do ano passado e só agora ele chegou, e eu só sabia que a história se passava na década de 50-60 e que era um romance, não sabia mais nada e fico feliz com sua resenha, acho que vai ser uma leitura proveitosa;
    Só fiquei triste em saber que em praticamente todas as páginas vc encontrou erros, isso é realmente frustrante para um leitor.
    Amei a resenha e sua sinceridade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho absoluta certeza de que você vai adorar este livro! Que bom que chegou depois de você ler a resenha! :)

      Excluir
  16. Acho que eu me irritaria se pegasse esse livro pra ler, pois tem vários pontos que discordo por completo sobre relacionamentos e religiosidade, e embora você diga que o autor não quis empurrar alguma doutrina com a trama, ainda assim, me incomodaria ter que ler, e pelo que me conheço, o livro sofreria algum dano físico rsrs
    enfim, que bom que a leitura foi válida para você, mas comigo, certeza que não funcionaria... sem contar os erros, que destroem minha concentração durante uma leitura...
    bjs

    ResponderExcluir
  17. Oi!
    Eu também tenho preconceitos com livros que abordam religião de uma forma que o objetivo é deixar o leitor meio ''preciso de uma religião''. A premissa parece interessante, mas como ateia, fujo de livros assim, porque há muitas chances de eu odiar a forma como o autor aborda. Mesmo você dizendo que o livro foi mais reflexivo, eu já fiquei na defensiva quanto a ele. :| Uma pena. É claro que eu sei que a história não se resume a isso e espero que para quem gosta da temática, seja um livro muito bom. :)))

    ResponderExcluir
  18. Oii, tudo bem?
    Eu ainda não conhecia o livro e nem o autor, mas é premissa é bem interessante. Porém eu acredito que nesse momento a leitura não iria fluir muito bem para mim, pois eu tenho meus dias de ler livros com tematica religiosa, mas eu vou deixar o nome dele anotado para o procurar mais tarde.

    ResponderExcluir
  19. Oie Greice,
    Achei a premissa bem interessante, o livro ser tipo um diário e as coisas acontecer na década 50 me deixaram curiosa em relação ao livro. Não o leria no momento, por conta dos erros de revisão, já que isso me atrapalha e me faz perder a vontade de ler.
    Beijos
    Bru, Cantinho da Bruna

    ResponderExcluir
  20. Oi Gre,
    Putz erro a cada página é pra matar. Mesmo que ao ler a resenha, ache parecido com a leitura de A Bandeja, que fala de religião mesmo sem te forçar ou impor, ai está uma leitura que não me chama muito a atenção, mesmo sendo reflexiva. Gosto de enredos assim, mas não é sempre que o autor me pega.

    Beijos
    http://amagiareal.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  21. Olá!
    Esse livro é português de Portugal?
    Eu tb tenho receio de ler livros com cunho religioso, muito medo do autor forçar a barra e eu pegar raiva rs Esse é o cuidado maior quando se coloca religião na literatura!
    Parece ser um livro bem agradável, nunca li nada desse editora, tenho curiosidade.

    Bjus
    blog Fundo Falso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI Andréa, não. Este livro é em português aqui do Brasil mesmo, mas só a editora que é de Portugal.

      Excluir
  22. Oi!!
    Não conhecia o livro nem o autor,na verdade não conheço muitas obras dessa editora e infelizmente esse livro não me ganhou nem pela capa e nem pela sinopse..na verdade achei bem chatinho mesmo..Não conseguia ter empatia por nenhum personagem =/

    http://livroaoavesso.blogspot.com.br/2016/01/resenha-mais-uma-chance-abbi-glines.html

    ResponderExcluir
  23. Oi Greice, tudo bem?

    Gostei muito da sua resenha e que apesar de não costumar ler livros que abordem a religião, mesmo assim você leu. Eu gosto de livros assim, que mostram a religião, ou qualquer outro tipo de crença, mas sem o objetivo de fazer com que o leitor acredite nela ou passe a praticá-la. E parece que foi assim também com os personagens, a Natalie tinha suas crenças, mas não quis obrigar o Robert a ter também.

    Enfim, parece ser um livro bem construído, com um romance bem desenvolvido. Também é um livro que nos faz refletir, gostei da mensagem que ele passa de coragem.

    É uma pena que tenha tido tantos erros de português, é realmente uma pena quando isso acontece.

    Beijinhos,

    Rafaella Lima || Vamos Falar de Livros?

    ResponderExcluir
  24. Oi! Tudo bem?

    O toque erótico e a presença forçada da religião nesse tipo de livro também me incomodam! Que bom que essa obra não possui nada forçado :) Eu sou como você, não consigo entender algumas coisas que você DEVE fazer em detrimento da fé. Enfim, achei que será uma boa leitura. Vou colocar na lista de desejados :)

    Beijos,

    Juliana Garcez | Livros e Flores

    ResponderExcluir
  25. Olá, tudo bem? Nossa temos praticamente a mesma visão sobre esses tipos de livro, mas eu sei que não vou gostar de jeito nenhum desse livro, até já imagino e tenho certeza do final, a mocinha vai "mostrar" como deus é bom e existe etc, e ele vai acreditar e vão casar e viver felizes para sempre, em todo o livro no qual há um ateu, os escritores os fazem se converterem, na boa isso dá muita raiva, qual o problema de uma pessoa não acreditar em deus? Por isso esse livro não ganha nem o direito de ser lido por mim, é muito chato esse tipo de coisa.
    Sthe - Blog
    http://leesoncre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Li o Livro...E acredito que esse era exatamente o livro que precisava ler...errou por completo o Final. Talvez a transformada tenha sido ela.

      Excluir
  26. Greice, quando li a sinopse do livro tive o mesmo receio que você, que tivesse muito de religião, que o autor impusesse suas crenças ao leitor. Fico feliz e aliviada que não seja assim!! Dessa forma, é possível aproveitar muito mais a leitura e refletir sobre ela de maneira natural. Você falou muito bem da obra e me deixou bem curiosa, ainda mais quando me tranquilizou a respeito desse ponto :) hahaha Fiquei com vontade de ler. Beijos e obrigada pela dica!

    ResponderExcluir
  27. Olá Greice.
    Bem, sou como você também não sou adepta a algumas religiões, só que, no m eu caso, não sou a nenhuma, e livros que falam sobre fé, mudanças, conversão, bons modos forçados... qualquer coisa do tipo me deixa muito, muito entediada. Também nao é só por esse motivo que não leria o livro, a época que se passa décadas de 50, 60, são época que eu adoro, mas o livro não parece dar aquele impulso sabe... algo realmente misterioso, algo que fique na cabeça do leitor... isso não me anima muito..
    Também reparo muitos erros de revisão de livros vindos da chiado, atrapalham tanto a minha leitura..
    bjss
    http://umavidaliteraria1.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  28. Oiii
    Pela sinopse,imaginei que teria muita religião.
    Não gosto de livros que a crença do autor é imposta para seus leitores.
    Amei a capa,ela é tão simples mas muito significativa.
    Sua resenha me fez ficar ansiosa pela leitura. E sua opinião foi muito bom.
    Você gostou muito né?
    Obrigada pela dica,beijos.

    ResponderExcluir

Olá!
Obrigada pela visita ao blog.
Tento sempre responder aos comentários aqui no blog e, se deixar o seu blog, retribuir as visitas o máximo possível.
Beijos