18 setembro 2015

18

Cinco Dias - Julie Lawson Timmer! Resenha #256! Editora Novo Conceito


Mara é uma mulher altamente famosa e talentosa em sua carreira. Advogada de muito sucesso, há mais de vinte anos se dedica completamente a tudo que ama. casada com um dermatologista apaixonado e mãe de uma menina linda, Lakshimi, de cinco anos, que fora adotada da Índia, Mara sabe que tem tudo o que sempre sonhou em sua vida. Agora que está curtindo sua vida após seus quarenta anos, coisas estranhas começaram a acontecer com ela. Talvez seja a menopausa chegando cedo demais, ou talvez seja o cansaço do trabalho.

Scott é um professor de escola pública. Enfrenta os maiores desafios ao saber que seus alunos lutam diariamente com os problemas sociais no mundo externo e alguns talvez nem sequer terminem o segundo grau. É para isto que ele faz um esforço além do que muitos fazem; não quer ver mais marginais nas ruas. Sua esposa é um doce e está sempre apoiando suas decisões, até mesmo quando precisou ficar com a guarda temporária de Curtis, um menino de sete anos que estava com sua mãe presa e agora só contava com seu irmão. Mas o irmão precisava terminar os estudos e se dedicar nos esportes para conseguir uma bolsa de estudos na faculdade e se parasse agora o futuro dele era incerto.

Quando o mundo começou a ficar mais complicado, Mara foi obrigada a ir ao médico e fazer exames. E foi assim que descobriu que as coisas caindo de suas mãos do nada, seus tombos frequentes, sua memória péssima nada mais era do que a doença de Huntington, aquela que aos poucos iria deteriorar seu sistema neurológico até ela não conseguir fazer mais nada e sequer lembrar quem eram as pessoas próximas a ela. O destino havia sido cruel.

Para Scott, ter Curtis por perto é como um filho mais velho. Por mais que o menino seja difícil devido ao seu comportamento, criá-lo é um consolo para ele. É um conforto ao seu coração. E agora sua esposa também está grávida. Mas Scott sabe que o tempo está chegando ao fim e que Curtis deverá ir embora depois de um ano e este apego que ambos tem um ao outro será como uma fecha no coração.

A verdade é que agora faltam cinco dias para a decisão que cada um precisa tomar. 
Mara não pode mais deixar que sua família, seus pais, suas amigas sofram com tudo o que está passando. A doença já avançou ao longo de quatro anos e está no pior estágio.
Scott não quer se distanciar de Curtis e deixar que ele parta ainda mais seu coração.

A decisão que cada um precisa tomar fará com que pessoas mudem suas vidas drasticamente.




Autora: Julie Lawson Timmer
Título Original: Five Days Left
ISBN: 9788581636955
Páginas: 368
Ano: 2015
Gênero:  Drama / Ficção
Editora: Novo Conceito







 

Já dá para parar de chorar? 

Sim. É mais ou menos assim que você. se sente com este livro e olha que nem é porque o livro é ruim, porque vou concluir que o livro é fabuloso já de cara. Escrevo a resenha com o coração na mão, ou melhor, com uma agonia funda, com o coração apertado e dolorido.

Mas cada parte é uma parte. Em primeiro lugar realmente não entendi o motivo da capa escolhida pela Novo Conceito. Se você ver as capas que coloquei acima dá para entender um pouco mais da história e é até mais inspirador. Ok, vai ver que dá para imaginar que a história são laços que se criam ou laços que se desfazem? Tudo bem, pode ser. Mas acredito que seria perfeita se fosse escolhida a primeira opção. Não foi, paciência. Não estragou o livro nem um pouco por isso.

A história é dividida em dois personagens: Mara e Scott e em suas decisões diferentes. Mara descobriu uma doença incurável e desde então tomou como meta que quando a doença não tivesse mais como ficar estável ela se suicidaria. Já Scott quando fez a adoção temporária de Curtis sabia que precisava entregar o menino em um ano e a sua decisão é o que vai fazer quando este tempo chegar.

Os personagens são muito bem construídos. Mara é a que mais tem voz e vez na história, já que a demonstração e o desenvolvimento de sua doença é bastante contada no livro. Desde a descoberta até o estágio em que ela se encontra. Os momentos com sua família e os momentos a sós. É bastante dolorido ler certas partes e ficar imaginando como uma pessoas com a doença de Huntington deve se sentir sabendo que seu corpo vai parando aos poucos. Me lembrou muito com Para Sempre Alice, mas de uma forma mais forte e penetrante, já que a doença tem características de momentos de raiva.

Já Scott é uma pessoa que sonha em mudar o mundo depois que veio de um lugar muito bom e caiu em um lugar onde a realidade é mais assustadora. Agora ele faz grandes esforços por seus alunos e se apega de verdade a cada um. O grande companheirismo de Curtis faz surgir uma amizade enorme e a afeição em ver que o menino se empenha tanto para alegrar tanto Scott quanto a esposa é lindo.

Também é muito bom o tema que a autora traz a tona. Um grupo virtual onde eles se encontram anonimamente para conversar sobre seus problemas. Mas somente pessoas que adotaram crianças ou estão em processo de adoção temporária. É lá que eles trocam experiências e conselhos. 

O livro é de uma magnitude sentimental gigante. Fico pensando em cada momento que alguma pessoa julga a outra sem saber o real motivo pelo qual ela está passando por aquilo. Há capítulos de extrema fragilidade e outros de extrema força e outros personagens secundários que fazem a história ser tão peculiar e amável que você se pergunta se em algum momento não deveria ser uma pessoa melhor ou se está fazendo o melhor para outras pessoas.

Mesmo quando o pior acontece será que é certo ou errado fechar os olhos? Você descobre muita coisa lendo Cinco Dias. Uma decisão pode mudar a vida de muita gente, mas nem sempre é para pior.





18 comentários:

  1. Oi, Greice, tudo bom?

    Realmente o livro parece ser bem emocionante. Deve ser muito devastador descobrir uma doença tão grave como a de Mara!
    Gostei muito da capa que tem uma mulher com uma criança no colo, há mais sentimento nela.

    Beijo
    - Tamires
    Blog Meu Epílogo | Instagram | Facebook

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tamires, a capa com a mãe e a criança também foi a minha favorita.

      Excluir
  2. Olá,
    O livro parece ser bacana e possuir uma carga emocional forte, mas confesso que não me interessei muito pela premissa dele, é algo que realmente não chamou minha atenção. Não gostei dessa capa da NC =/.
    Beijos.
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Inês, tem que ter gosto pelo drama e se reconhecer senão a coisa não rola mesmo! :)

      Excluir
  3. Oi Greice!
    Nossa, essa doença é complicada mesmo. Tenho certeza de que iria chorar litros lendo esse livro, por isso nem sei se quero ler. Tento evitar leituras que me deixam para baixo...

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah eu gosto mais para servir como um aprendizado, mas tem livros de doenças que não leio também.

      Excluir
  4. Eu não estava emocionalmente pronta para dramas. Acho que foi o motivo de não ter solicitado este livro. Nem a premissa nem a capa me atraíram. Agora tô realmente bolada dessa escolha de capa pela NC, visto que as outras mostram tanto mais do que o livro quer passar.
    Gostei do teu ponto de vista.
    Beijos

    Danni
    Garotas e Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Danni, realmente não sei com o que eles trabalham em relação a capa, porque nos gringos também tinha esta capa.

      Excluir
  5. Oi Greice!
    A capa não chama muito a atenção, o que faz o livro passar despercebido, mas o enredo é ótimo. Adoro estórias com dois personagens principais, e fiquei curiosa para acompanhar cada um. Deve ser mesmo um livro emocionante! Ótima resenha. :)
    beijos ♥
    nuclear--story.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo elogio Dani. Realmente acredito que a capa ajude a vender os livros se você está em uma livraria e nunca leu nada sobre.

      Excluir
  6. Então, eu solicitei este livro sem nem ler muito bem a sinopse, a sua resenha é a primeira que leio dele e bastou para me deixar loooouca de vontade de pegá-lo agora mesmo. Sim, eu não me importo com o fato de que vou chorar litros, e sei que vou, na verdade estou ate esperando isto ocorrer mesmo, hihihi.

    Beijo, Vanessa Meiser - Retrô Books
    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu nem pensei duas vezes antes de solicitar ele. Adoro livros assim.

      Excluir
  7. Pelo que li em sua resenha, deu-me a impressão que o livro deva ser bom. Gostaria de ler e tirar minhas conclusões.

    ResponderExcluir
  8. Ai Greice!
    Fiquei emocionada em apenas ler sua resenha, fico imaginando quando for ler o livro, que será o próximo.
    Vou pegar logo minha caixinha de lenços porque sei que vou chorar baldes.
    Adorei sua resenha bem detalhada.
    “A alegria está na luta, na tentativa, no sofrimento envolvido e não na vitória propriamente dita.”(Mahatma Gandhi)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista, serão 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  9. Migalhas de papel branco só teve sabe o q é né Greice.

    ResponderExcluir
  10. Oi Gre,
    Bem já vi que vou chorar litros. Esse livro tem emocionado diversos leitores. Pelas suas palavras vou ficar...como é mesmo a palavra? Caramba odeio esses lapsos de memória...kkkk....opa lembrei.....vou ficar de ressaca literária. Obrigada pelo prazer de ler suas palavras te adoro amiga. Bjos Elis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi assim que a personagem começou, com lapsos de memória amiga. Se eu fosse tu ia ver um médico. Gargalhando muito. te adoro!

      Excluir

Olá!
Obrigada pela visita ao blog.
Tento sempre responder aos comentários aqui no blog e, se deixar o seu blog, retribuir as visitas o máximo possível.
Beijos