06 junho 2015

9

Na Telinha: Terremoto - A Falha de San Andreas!

Quer ver coisa de fã?

Falou de Dwayne Johnson, ou mais precisamente The Rock como era conhecido no início de sua carreira, eu estou lá para ver o filme. Pum! Eu apareço!

Eu gostava de assistir ao filme da saga A Múmia até ele fazer uma ponta no filme e se destacar, então foi convidado a fazer outros filmes como ator principal. Claro que não era essa torre de músculos como é agora e geralmente os filmes tinha uma grade de comédia misturado com luta.

Então assim que soou um trailer de terremoto pelas redes sociais eu já coloquei na minha lista de prioridades. Pelo ator em primeiro lugar e por ser um filme de catástrofes com um milhão de efeitos visuais.





Sinopse:
Um terremoto atinge a Califórnia e faz com que Ray (Dwayne Johnson), um bombeiro especializado em restates com helicópteros, tenha que percorrer o estado ao lado da ex-esposa (Carla Gugino) para resgatar a sua filha Blake (Alexandra Daddario), que tenha sobreviver em São Francisco com a ajuda de dois jovens irmãos.



Não há como evitar clichês em um filme como este. Você precisa colocar muita coisa junta para fazer tudo ficar completo e ainda assim fazer ser um sucesso da mesma forma que 2012 foi e que Terremoto está sendo. Mas a teoria é basicamente a mesma: uma família que acaba se desencontrando, pessoas que descobrem que o mundo está prestes a terminar e então os pais saem em busca de seus filhos.
Até este momento você coloca mil cenas de muita ação, drama, aflição e ponto.

Eis que Terremoto não foge nem um pouco da mágica, mas consegue fazer o telespectador ficar preso dentro de tanto acontecimento trágico. De uma coisa estou certa; não vou viajar para a Califórnia nunca na minha vida após este filme. Com um professor que vai explicando aos poucos os acontecimentos que estão surgindo após a verificação de terremotos que acontecem fora da área natural, eles percebem que tudo está prestes a ruir.




Como The Rock é especializado em resgates, toda ajuda cai do céu, literalmente. Como sua filha foi até São Francisco, a cidade onde o terremoto ápice vai acontecer, enquanto eles estão em Los Angeles, ele e sua ex-esposa precisam ir buscá-la.

As cenas das catástrofes são maravilhosamente bem montadas. Exceto pela falta de tornados não senti muita diferença entre este filme e 2012 além de que a destruição vai se tornando maior a cada momento. Há cenas em que você fica pensando como aquilo é possível em certo cenário e como as pessoas fazem daquela forma e em outros momentos você só fica realmente olhando um filme que tem mais turbulência do que roteiro.


A maior verdade é que apesar do ator principal ser um grande astro do cinema, peca demais com sua falta de atuação ao drama. É, sou sua fã, mas The Rock não tem ou não encontrou seu caminho para interpretar alguém que sofre por sua família neste filme. 
Pelo contrário.
Quem rouba a cena realmente é a atriz Alexandra, que interpreta sua filha e os dois atores que caem como uma surpresa do bolo. O trio consegue fazer mais em menos tempo e emocionar mais a plateia, mesmo sendo menos conhecidos. 



Vale então a pena assistir ao filme? Claro que vale. Afinal, toda a destruição causada e todos os terremotos que acabam de uma certa forma cansando são legais para quem curte um filme de aventura e que também gosta de ver novidades.

Mas se você é daquelas pessoas que esperam um encontro emocionante, muito amor e dedicação, um final exclusivo e muita coisa nova e original, escolha outra opção. Por mais que vários filmes estejam sendo regravados, este é bastante parecido com 2012, só que sem te fazer chorar. 










9 comentários:

  1. Apesar de já haver outros filmes com essa temática, esse me interessa um pouco. Parece ser um bom filme.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de junho. Você escolhe o livro que quer ganhar!

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    Não sou muito de ver esse tipo de livro, por isso confesso que nem me interessei por esse, mas a fotografia está linda, nossa <3. Gostei da dica.
    Beijos.
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente Inês, eles são perfeitos em criar o ambiente fotográfico.

      Excluir
  3. Oi Greice,
    Quase assisti esse filme na semana passada, mas para minha infelicidade assisti mad max. Já viu este?? Não consigo escutar mais solo de guitarra e se você assistir vai entender isso.
    Estou curiosa para ver Terremoto apesar da atuação fraca do The Rock. Adoro filmes com ele e, se não me engano o último que assisti foi Hércules!
    Beijos e boa semana!

    http://versosenotas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bárbara, eu vi Mad Max na primeira versão dele, para ver como estou velha e aí não me deu vontade de ver esta.

      Excluir
  4. Oi Greice,
    Já tinha ouvido falar sobre esse filme, mas não sabia qual era sua trama. Apesar do fraco desempenho do protagonista, fiquei interessada pelo filme, então espero poder assisti-lo no futuro.

    *bye*
    http://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oie Greice =)

    Estou bem curiosa para assistir a esse filme. O trailer me deixou bem animada, além de ser um gênero que eu gosto bastante.

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  6. Vixi...tu sabe que sigo a risca algumas coisas que você fala né? Claro que nem sempre...vai que tu fala pra eu me atirar de uma ponte kkkkkk.....rindo muito agora....mas vou esperar sair na tv pra ver....cinema anda caro...só vou para ver filmes exclusivos e em boas companhias. Temos de marcar um cineminha.

    Beijos Elis - http://amagiareal.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, tu quis ir ver 50 Tons de Cinza e eu não fui e agora reclama deste?

      Excluir

Olá!
Obrigada pela visita ao blog.
Tento sempre responder aos comentários aqui no blog e, se deixar o seu blog, retribuir as visitas o máximo possível.
Beijos